domingo, novembro 05, 2006

Ciranda


Prezado Tete Catalão
Quem ousa escrever sobre infâncias que já foram vividas?
Sobre crianças que morreram no processo de "amadurecimento"?
Quem nos convida a cirandar achando que não esquecemos o prazer de partilhar uma roda?
As pessoas que nos ajudam a fazer, a escrever às vezes são adultos tristes, outras são professoras, amigas, irmãs que acreditam que estas crianças ainda possuem voz, outras são os poetas que emprestam suas palavras para construirmos asas alçarmos vôos e ganharmos a rua, procurando e acordando outras crianças para cirandar.
Vou colar aqui tuas palavras que me fizeram saltitar:
"percepção em sintonia fina
você conduziu a infância pelo imaginário
do "eterno retorno" atemporal, um valor permanente
latente em que nos adulteramos ao nos tornar(em) adultos"
Obrigada, até a próxima

Um comentário:

Enopj disse...

Poetizando em cima de poesias...muito bonita a poesia do nosso amigo, e seu comentário sobre o cirandar...